Questões de Concursos

Limpar busca
Filtros aplicados
Concurso: ENEM x
#125145
Concurso
ENEM
Cargo
Aluno ENEM
Banca
INEP
Matéria
Filosofia
Tipo
Múltipla escolha
Comentários
Seja o primeiro a comentar
fácil

(1,0)

Nos textos, ambos os autores se posicionam sobre a natureza do conhecimento humano. A comparação dos excertos permite assumir que Descartes e Hume

  • a) defendem os sentidos como critério originário para considerar um conhecimento legítimo.
  • b) entendem que é desnecessário suspeitar do significado de uma ideia na reflexão filosófica e crítica.
  • c) são legítimos representantes do criticismo quanto à gênese do conhecimento.
  • d) concordam que conhecimento humano é impossível em relação às ideias e aos sentidos.
  • e) atribuem diferentes lugares ao papel dos sentidos no processo de obtenção do conhecimento.
#125144
Concurso
ENEM
Cargo
Aluno ENEM
Banca
INEP
Matéria
Filosofia
Tipo
Múltipla escolha
Comentários
Seja o primeiro a comentar
fácil

(1,0)

Em O Príncipe, Maquiavel refletiu sobre o exercício do poder em seu tempo. No trecho citado, o autor demonstra o vínculo entre o seu pensamento político e o humanismo renascentista ao

  • a) valorizar a interferência divina nos acontecimentos definidores do seu tempo.
  • b) rejeitar a intervenção do acaso nos processos políticos.
  • c) afirmar a confiança na razão autônoma como fundamento da ação humana.
  • d) romper com a tradição que valorizava o passado como fonte de aprendizagem.
  • e) redefinir a ação política com base na unidade entre fé e razão.
#125143
Concurso
ENEM
Cargo
Aluno ENEM
Banca
INEP
Matéria
Filosofia
Tipo
Múltipla escolha
Comentários
Seja o primeiro a comentar
fácil

(1,0)


O texto faz referência à relação entre razão e sensação, um aspecto essencial da Doutrina das Ideias de Platão (427 a.C.-346 a.C.). De acordo com o texto, como Platão se situa diante dessa relação?

  • a) Estabelecendo um abismo intransponível entre as duas.
  • b) Privilegiando os sentidos e subordinando o conhecimento a eles.
  • c) Atendo-se à posição de Parmênides de que razão e sensação são inseparáveis.
  • d) Afirmando que a razão é capaz de gerar conhecimento, mas a sensação não.
  • e) Rejeitando a posição de Parmênides de que a sensação é superior à razão.
#125142
Concurso
ENEM
Cargo
Aluno ENEM
Banca
INEP
Matéria
Filosofia
Tipo
Múltipla escolha
Comentários
Seja o primeiro a comentar
fácil

(1,0)

William James Herschel, coletor do governo inglês, iniciou na Índia seus estudos sobre as impressões digitais ao tomar as impressões digitais dos nativos nos contratos que firmavam com o governo. Essas impressões serviam de assinatura. Aplicou-as, então, aos registros de falecimentos e usou esse processo nas prisões inglesas, na Índia, para reconhecimento dos fugitivos. Henry Faulds, outro inglês, médico de hospital em Tóquio, contribuiu para o estudo da datiloscopia. Examinando impressões digitais em peças de cerâmica pré-histórica japonesa, previu a possibilidade de se descobrir um criminoso pela identificação das linhas papilares e preconizou uma técnica para a tomada de impressões digitais, utilizando-se de uma placa de estanho e de tinta de imprensa.



Que tipo de relação orientava os esforços que levaram à descoberta das impressões digitais pelos ingleses e, posteriormente, à sua utilização nos dois países asiáticos?

  • a) De fraternidade, já que ambos visavam aos mesmos fins, ou seja, autenticar contratos.
  • b) De dominação, já que os nativos puderam identificar os ingleses falecidos com mais facilidade.
  • c) De controle cultural, já que Faulds usou a técnica para libertar os detidos nas prisões japonesas.
  • d) De colonizador-colonizado, já que, na Índia, a invenção foi usada em favor dos interesses da coroa inglesa.
  • e) De médico-paciente, já que Faulds trabalhava em um hospital de Tóquio.
#125141
Concurso
ENEM
Cargo
Aluno ENEM
Banca
INEP
Matéria
Filosofia
Tipo
Múltipla escolha
Comentários
Seja o primeiro a comentar
fácil

(1,0)

William James Herschel, coletor do governo inglês, iniciou na Índia seus estudos sobre as impressões digitais ao tomar as impressões digitais dos nativos nos contratos que firmavam com o governo. Essas impressões serviam de assinatura. Aplicou-as, então, aos registros de falecimentos e usou esse processo nas prisões inglesas, na Índia, para reconhecimento dos fugitivos. Henry Faulds, outro inglês, médico de hospital em Tóquio, contribuiu para o estudo da datiloscopia. Examinando impressões digitais em peças de cerâmica pré-histórica japonesa, previu a possibilidade de se descobrir um criminoso pela identificação das linhas papilares e preconizou uma técnica para a tomada de impressões digitais, utilizando-se de uma placa de estanho e de tinta de imprensa.



Que tipo de relação orientava os esforços que levaram à descoberta das impressões digitais pelos ingleses e, posteriormente, à sua utilização nos dois países asiáticos?

  • a) De fraternidade, já que ambos visavam aos mesmos fins, ou seja, autenticar contratos.
  • b) De dominação, já que os nativos puderam identificar os ingleses falecidos com mais facilidade.
  • c) De controle cultural, já que Faulds usou a técnica para libertar os detidos nas prisões japonesas.
  • d) De colonizador-colonizado, já que, na Índia, a invenção foi usada em favor dos interesses da coroa inglesa.
  • e) De médico-paciente, já que Faulds trabalhava em um hospital de Tóquio.
#125140
Concurso
ENEM
Cargo
Aluno ENEM
Banca
INEP
Matéria
Filosofia
Tipo
Múltipla escolha
Comentários
Seja o primeiro a comentar
fácil

(1,0)

Os signos visuais, como meios de comunicação, são classificados em categorias de acordo com seus significados. A categoria denominada indício corresponde aos signos visuais que têm origem em formas ou situações naturais ou casuais, as quais, devido à ocorrência em circunstâncias idênticas, muitas vezes repetidas, indicam algo e adquirem significado. Por exemplo, nuvens negras indicam tempestade. Com base nesse conceito, escolha a opção que representa um signo da categoria dos indícios.

  • a)
  • b)
  • c)
  • d)
  • e)
#125139
Concurso
ENEM
Cargo
Aluno ENEM
Banca
INEP
Matéria
Filosofia
Tipo
Múltipla escolha
Comentários
Seja o primeiro a comentar
fácil

(1,0)

Existe uma regra religiosa, aceita pelos praticantes do judaísmo e do islamismo, que proíbe o consumo de carne de porco. Estabelecida na Antiguidade, quando os judeus viviam em regiões áridas, foi adotada, séculos depois, por árabes islamizados, que também eram povos do deserto.
Essa regra pode ser entendida como

    • a) uma demonstração de que o islamismo é um ramo do judaísmo tradicional.
    • b) um indício de que a carne de porco era rejeitada em toda a Ásia.
    • c) uma certeza de que do judaísmo surgiu o islamismo.
    • d) uma prova de que a carne do porco era largamente consumida fora das regiões áridas.
    • e) uma crença antiga de que o porco é um animal impuro.
    #125138
    Concurso
    ENEM
    Cargo
    Aluno ENEM
    Banca
    INEP
    Matéria
    Filosofia
    Tipo
    Múltipla escolha
    Comentários
    Seja o primeiro a comentar
    fácil

    (1,0)

    A Peste Negra dizimou boa parte da população européia, com efeitos sobre o crescimento das cidades O conhecimento médico da época não foi suficiente para conter a epidemia. Na cidade de Siena, Agnolo di Tura escreveu: “As pessoas morriam às centenas, de dia e de noite, e todas eram jogadas em fossas cobertas com terra e, assim que essas fossas ficavam cheias, cavavam-se mais. E eu enterrei meus cinco filhos com minhas próprias mãos (...) E morreram tantos que todos achavam que era o fim do mundo.”

    Agnolo di Tura. The Plague in Siena: An Italian Chronicle. In: William M. Bowsky. Th Black Death: a turning point in history? New York: HRW, 1971 (com adaptações

    O testemunho de Agnolo di Tura, um sobrevivente da Peste Negra, que assolou a Europa durante parte do século XIV, sugere que

      • a) o flagelo da Peste Negra foi associado ao fim dos tempos.
      • b) a Igreja buscou conter o medo da morte, disseminando o saber médico.
      • c) a impressão causada pelo número de mortos não foi tão forte, porque as vítimas eram poucas e identificáveis.
      • d) houve substancial queda demográfica na Europa no período anterior à Peste.
      • e) o drama vivido pelos sobreviventes era causado pelo fato de os cadáveres não serem enterrados.
      #125137
      Concurso
      ENEM
      Cargo
      Aluno ENEM
      Banca
      INEP
      Matéria
      Filosofia
      Tipo
      Múltipla escolha
      Comentários
      Seja o primeiro a comentar
      fácil

      (1,0)

      A identidade negra não surge da tomada de consciência de uma diferença de pigmentação ou de uma diferença biológica entre populações negras e brancas e(ou) negras e amarelas. Ela resulta de um longo processo histórico que começa com o descobrimento, no século XV, do continente africano e de seus habitantes pelos navegadores portugueses, descobrimento esse que abriu o caminho às relações mercantilistas com a África, ao tráfico negreiro, à escravidão e, enfim, à colonização do continente africano e de seus povos.

      K. Munanga. Algumas considerações sobre a diversidade e a identidade
      negra no Brasil. In: Diversidade na educação: reflexões e experiências
      . Brasília: SEMTEC/MEC, 2003, p. 37.

      Com relação ao assunto tratado no texto acima, é correto afirmar que

      • a) a colonização da África pelos europeus foi simultânea ao descobrimento desse continente.
      • b) a existência de lucrativo comércio na África levou os portugueses a desenvolverem esse continente.
      • c) o surgimento do tráfico negreiro foi posterior ao início da escravidão no Brasil.
      • d) a exploração da África decorreu do movimento de expansão européia do início da Idade Moderna.
      • e) a colonização da África antecedeu as relações comerciais entre esse continente e a Europa.
      #125136
      Concurso
      ENEM
      Cargo
      Aluno ENEM
      Banca
      INEP
      Matéria
      Filosofia
      Tipo
      Múltipla escolha
      Comentários
      Seja o primeiro a comentar
      fácil

      (1,0)

      O brasileiro tem noção clara dos comportamentos éticos e morais adequados, mas vive sob o espectro da corrupção, revela pesquisa. Se o país fosse resultado dos padrões morais que as pessoas dizem aprovar, pareceria mais com a Escandinávia do que com Bruzundanga (corrompida nação fictícia de Lima Barreto).
      FRAGA, P. Ninguém é inocente. Folha de S. Paulo. 4 out. 2009 (adaptado).

      O distanciamento entre “reconhecer” e “cumprir” efetivamente o que é moral constitui uma ambiguidade inerente ao humano, porque as normas morais são

      • a) decorrentes da vontade divina e, por esse motivo, utópicas.
      • b) parâmetros idealizados, cujo cumprimento é destituído de obrigação.
      • c) amplas e vão além da capacidade de o indivíduo conseguir cumpri-las integralmente.
      • d) criadas pelo homem, que concede a si mesmo a lei à qual deve se submeter.
      • e) cumpridas por aqueles que se dedicam inteiramente
      #125135
      Concurso
      ENEM
      Cargo
      Aluno ENEM
      Banca
      INEP
      Matéria
      Filosofia
      Tipo
      Múltipla escolha
      Comentários
      Seja o primeiro a comentar
      fácil

      (1,0)

      O acidente nuclear de Chernobyl revela brutalmente os limites dos poderes técnico-científicos da humanidade e as “marchas-à-ré” que a “natureza” nos pode reservar. É evidente que uma gestão mais coletiva se impõe para orientar as ciências e as técnicas em direção a finalidades mais humanas.
      GUATTARI, F. As três ecologias. São Paulo: Papirus, 1995 (adaptado).

      O texto trata do aparato técnico-científico e suas consequências para a humanidade, propondo que esse desenvolvimento

      • a) defina seus proj etos a partir dos interesses coletivos.
      • b) guie-se por interesses econômicos, prescritos pela lógica do mercado.
      • c) priorize a evolução da tecnologia, se apropriando da natureza.
      • d) promova a separação entre natureza e sociedade tecnológica.
      • e) tenha gestão própria, com o objetivo de melhor apropriação da natureza.
      #125134
      Concurso
      ENEM
      Cargo
      Aluno ENEM
      Banca
      INEP
      Matéria
      Filosofia
      Tipo
      Múltipla escolha
      Comentários
      Seja o primeiro a comentar
      fácil

      (1,0)

      Um volume imenso de pesquisas tem sido produzido para tentar avaliar os efeitos dos programas de televisão. A maioria desses estudos diz respeito às crianças — o que é bastante compreensível pela quantidade de tempo que elas passam em frente ao aparelho e pelas possíveis implicações desse comportamento para a socialização. Dois dos tópicos mais pesquisados são o impacto da televisão no âmbito do crime e da violência e a natureza das notícias exibidas na televisão.
      GIDDENS, A. Sociologia. Porto Alegre: Artmed, 2005.

      O texto indica que existe uma significativa produção científica sobre os impactos socioculturais da televisão na vida do ser humano. E as crianças, em particular, são as mais vulneráveis a essas influências, porque

        • a) codificam informações transmitidas nos programas infantis por meio da observação.
        • b) adquirem conhecimentos variados que incentivam o processo de interação social.
        • c) interiorizam padrões de comportamento e papéis sociais com menor visão crítica.
        • d) observam formas de convivência social baseadas na tolerância e no respeito.
        • e) apreendem modelos de sociedade pautados na observância das leis.
        #125133
        Concurso
        ENEM
        Cargo
        Aluno ENEM
        Banca
        INEP
        Matéria
        Filosofia
        Tipo
        Múltipla escolha
        Comentários
        Seja o primeiro a comentar
        fácil

        (1,0)

        Acompanhando a intenção da burguesia renascentista de ampliar seu domínio sobre a natureza e sobre o espaço geográfico, através da pesquisa científica e da invenção tecnológica, os cientistas também iriam se atirar nessa aventura, tentando conquistar a forma, o movimento, o espaço, a luz, a cor e mesmo a expressão e o sentimento.
        SEVCENKO, N. O Renascimento. Campinas: Unicamp, 1984.

        O texto apresenta um espírito de época que afetou também a produção artística, marcada pela constante relação entre

        • a) fé e misticismo
        • b) ciência e arte.
        • c) cultura e comércio.
        • d) política e economia.
        • e) astronomia e religião.
        #125132
        Concurso
        ENEM
        Cargo
        Aluno ENEM
        Banca
        INEP
        Matéria
        Filosofia
        Tipo
        Múltipla escolha
        Comentários
        Seja o primeiro a comentar
        fácil

        (1,0)

        A política foi, inicialmente, a arte de impedir as pessoas de se ocuparem do que lhes diz respeito. Posteriormente, passou a ser a arte de compelir as pessoas a decidirem sobre aquilo de que nada entendem. VALÉRY, P. Cadernos. Apud BENEVIDES, M.V. M. A cidadania ativa.SâoPaulo:Ática, 1996. Nessa definição, o autor entende que a história da política está dividida em dois momentos principais: um primeiro, marcado pelo autoritarismo excludente, e um segundo, caracterizado por uma democracia incompleta. Considerando o texto, qual é o elemento comum a esses dois momentos da história política?

          • a) A distribuição equilibrada do poder.
          • b) O impedimento da participação popular.
          • c) O controle das decisões por uma minoria.
          • d) A valorização das opiniões mais competentes.
          • e) A sistematização dos processos decisórios.
          #125131
          Concurso
          ENEM
          Cargo
          Aluno ENEM
          Banca
          INEP
          Matéria
          Filosofia
          Tipo
          Múltipla escolha
          Comentários
          Seja o primeiro a comentar
          fácil

          (1,0)

          O príncipe, portanto, não deve se incomodar com a reputação de cruel, se seu propósito é manter o povo unido e leal. De fato, com uns poucos exemplos duros poderá ser mais clemente do que outros que, por muita piedade, permitem os distúrbios que levem ao assassínio e ao roubo. MAQUIAVEL, N. O Príncipe. São Paulo: Martin Claret, 2009. No século XVI, Maquiavel escreveu O Príncipe, reflexão sobre a Monarquia e a função do governante. A manutenção da ordem social, segundo esse autor, baseava-se na

            • a) inércia do julgamento de crimes polêmicos.
            • b) bondade em relação ao comportamento dos mercenários.
            • c) compaixão quanto à condenação de transgressões religiosas.
            • d) neutralidade diante da condenação dos servos.
            • e) conveniência entre o poder tirânico e a moral do príncipe.